Um breve passeio no bondinho

Para mim passear naquele bondinho amarelo era obrigatório. Tinha a expectativa de que ele passaria por lugares lindos e típicos, mas o melhor de tudo foram os 40 minutos que ficamos na fila esperando a nossa vez. Foi muito legal observar como eles viram o bonde, para que ele fique de frente para a saída. Eles fazem isso na mão! O bonde anda até chegar em uma plataforma redonda de madeira, dai descem dois caras e simplesmente empurram a plataforma até que ela rode 180 graus e o bonde fique de frente.

O passeio em si é sem graça. O bonde geralmente vai lotado, e mesmo que voce pegue os bancos virados pra rua, vai ter gente em pé na sua frente e voce vai ter que ficar virando o pescoço pra ver por onde está passando. Dei sorte e peguei o banco perto da janela da frente. Pude fazer umas fotos meio mais ou menos. Enfim: decepção.

E hoje é nosso último dia aqui. Mas nosso coração ficou. Voltaremos.

 

Batendo perna em Chinatown

O que gostamos mesmo em viagem é isso de passear devagar e podemos passar quase um dia inteiro só batendo perna pela cidade, sem rumo certo. Fizemos isso em Chinatown e foi muito divertido. Eu já conhecia duas outras “Chinatowns”, a de Nova York e a Liberdade, em São Paulo. Fátima, quilometros mais viajada do que eu, já conhece a própria China e seus mistérios. Bom, o fato é que achamos a daqui muito diferente das outras, ou pelo menos estava diferente no dia que passeamos por lá: ruas calmas, sem muita gente, sem chinês nos oferecendo coisas ou nos constrangendo a visitar suas lojas.

As lojas de quinquilharias estão lá, mas tem muita loja de jóia e umas lojas de objetos decorativos, como esse móvel com uma incrustação na parte superior em marfim esculpido formando casas, reis, elefantes, e mais um monte de coisa que não identificamos. Pense numa coisa “over”!

Essa luminária também achei D+

Em várias calçada de lojas encontramos esculturas como essa, que achei muito fofinha

Mas, de todos os objetos nas vitrines, a que mais me surpreendeu mesmo foi encontrar o que eu imaginava ser um símbolo mais que ultrapassado

Almoçamos por lá, em um restaurante pequenininho de uma rua lateral. Senti uma enorme dificuldade em fazer o pedido porque além de não conhecer comida chinesa, o cardápio estava escrito em chinês (naturalmente) e em inglês (tambem naturalmente). Dai que pedimos errado e não comemos bem.

O Fisherman’s Wharf

No meio do nosso tour resolvemos descer na região de Fisherman’s Wharf, que, como o nome sugere é lugar perto do mar e, supostamente, com coisas do mar, tipo comida e etc e tal. Queríamos ver o mar e queríamos comer peixe e queríamos conhecer o Pier 39.

O mar quase não vimos. O dia estava muito nublado e não somente enevoado. Tudo era em alguns tons de cinza (não 50). Em compensação o Pier 39 estava animadíssimo. Eu estava imaginando encontrar algo como o Seaport de New York, cheio de buginganga pra turista e comida ruim. Nada mais equivocado. O Pier 39 é muito grande, com lojas de bugingangas sim, mas com algumas lojas muito legais (gostamos de uma com coisas para canhotos, gostamos de outra irlandesa, com coisas celtas lindas) e bons restaurantes. Uma coisa muito fofa são os leões marinhos que ficam lá, descansando, bolando um por cima do outro.

Escolhemos comer em um restaurante italiano que também servia frutos do mar. Excelente escolha. Comida boa, um Chardonnay interessante e um garçon mexicano. Tudo de bom.

Eu posando
Eu, posando

E fizemos como gostamos, ficamos batendo perna por ali, olhando as coisas, mangando do povo e rindo muito, que é a melhor coisa a se fazer. Eram mais de 6 da tarde quando começou a “lebrinar”(eita nordestinês brabo!) e resolvemos ir embora.

Ao fundo, a ilha onde está o antigo presidio de Alcatraz

Observando os contrastes em São Francisco

Como sempre nosso primeiro passeio por SF foi tomar um city tour, tipo hop on hop off, para ter uma visão geral da cidade. O ponto principal de uma das companhias é na Union Square, mas para chegarmos lá caminhamos praticamente toda a Market Street e penso que nessa caminhada vimos tudo que há por aqui. Saimos da Castro, com sua população gay. Caminhamos mais um pouco e começamos a ver casais hetero com seus filhos em carrinhos, tomando café nas dinners. Caminhamos mais e entramos numa zona meio estranha: homelesses, jovens parecendo drogados, pessoas sujas, algumas claramente em delírio. Claro que sentimos um certo medo, mas a polícia estava sempre por alí. Junto a essa região estão os negros com cara de rasta ou rapers. Essas regiões são muito próximas ao Civic Center e a Union Square, portanto é preciso cuidado quando escolher hotel na Downtown, porque se disser “proximo a Union Square”, pode ser justamente nessa região.

Esse predio não é na Market St, mas mostra o clima. Não à toa está em P&B

Ai acontece um fenômeno estranho: estamos atravessando essa terra de ninguem quando, de repente, começam a aparecer prédios luxuosos e lojas de grifes; e estamos na Union Square. Ali estão as mais caras lojas de joias, tipo Tiffany, de roupas, tipo Saks, Prada, Armani, Dior, além de outras menos cotadas, tipo Gap, Sephora, Bloomingdale e a conhecida Macy’s. Um imenso contraste com a vida há 2 quarteirões atrás e que nos faz pensar sobre a justeza deste sistema político-econômico.

Union Square
Union Square

Então, quem quiser ficar nessa região, ela é muito legal para compras e pra comer bem, além de estar vizinho a Chinatown. Vimos alguns hoteis que estão em ruas legais, mas não sabemos os preços, nem sabemos se são bons. Nada que o Booking.com não informe. Vamos lá:

1. O Baldwin Hotel

2. O Stratford Hotel

3. O Hotel Triton, esse já na entrada de Chinatown.

Castro, a região alegre de São Francisco

A casa que alugamos fica na 18th Street, quase esquina com a Castro. A região é declaradamente gay e afirma isso pra quem por aqui chegar: bandeiras arco-íris estão em todos os postes e em várias fachadas das casas, bares, restaurantes e lojas dedicadas aos produtos gays. Uma coisa muito linda de se ver, porque aqui as coisas acontecem naturalmente, sem necessidade de nenhum subterfúgio. Um belo clima de liberdade, longe da homofobia. As casas são lindas, daquele tipo característico de São Francisco que eu amo.

20130528_112248

Castro é um bairro que guarda toda a história da luta pelos direitos homossexuais. Foi aqui que viveu Harvey Milk. Se voce não viu, precisa urgentemente ver o filme “Milk”para entender melhor o que significa Castro. Fiquei emocionada ao ver a praça com o seu nome e uma imensa bandeira arco-iris.

20130528_112941

Mas tem uma coisa que ainda não consegui entender por aqui: somente encontramos gays masculinos, não sabemos onde se encontram as mulheres. Talvez em outra região? De todas as maneiras, estamos adorando estar em Castro.

E chegamos a São Francisco sob fog

Uma das primeiras imagens de São Francisco foi a Golden Gate. Enevoada. Nuvens tão baixas que quase as tocávamos. Assim a atravessamos, sem conseguir ver o que havia por baixo dela.

DSC00768

DSC00776

O que conseguimos ver do mar tambem estava com as nuvens muito baixas, mas deu pra eu ver o Pacifico pela primeira vez.

DSC00770

Arriscando resolvemos ir até Twin Peaks, uma região alta da cidade, de onde se tem um panorama único: a cidade interinha aos nossos pés. Demos sorte. Quando chegamos lá o dia estava aberto, o sol das 4 da tarde iluminando toda a cidade.

A avenida enorme é a Market St
A avenida enorme é a Market St
Olha as duas lindas ai
Olha as duas lindas ai

Os cânions do Rio São Francisco

Estou pensando em fazer esse passeio que todos dizem ser belissimo. Com isso em mente escrevi para meu amigo Carlos Viegas, que já esteve lá, e pedi indicações. O texto dele é tão delicioso que pedi permissão para publicar aqui, na íntegra:

Entrando  em www.voenoar.com.br, verás  que há um voo diário de Natal a Paulo Afonso, com escalas em J.Pessoa, Recife  e Maceió. Daí deve levar umas 4 horas, voo de solavancos, pois avião não  ultrapassa a camada de nuvens que povoa o nosso litoral. O avião é pequeno,  com dois ruidosos motores, cujas hélices poderás ver de tua minúscula janela,  de onde  vislumbrarás também praias soberbas, até Maceió. De lá, passas a  sacolejar sobre montanhas áridas até que divises, abaixo, o velho Chico a  serpentear entre elas, verde como os olhos de Fábio Assunção.

 Aterrissando em  Paulo Afonso, podes te dirigir ao Hotel Porthal da Ilha (www.hotelporthaldailha.com.br), onde um pintoso Sr. Pacífico,  proprietário, te receberá bem, com farto desjejum e quarto com ar refrigerado split.  Na recepção do  hotel, pagas 50 reais e no dia seguinte diriges-te ao Centro de Turismo, de  onde sai um microônibus em direção ao canion, numa viagem de  meia-hora.  Ali te espera um confortável Catamarã, que te levará entre paredões vermelhos  rio a fora. “Num dado momento”, para-se no local destinado ao banho  reconfortante/refrescante. A partir daí são só folguedos: tu te despojas das vestimentas e,  de sumário traje de banho e agarrado a um “macarrão” –  cujo uso é imposto pela tibulação da embarcação -, mergulhas em água  cristalina, sufocando gritinhos de excitação.

Daí começa o  retorno, que termina no mesmo ponto onde pegaste o ônibus e de onde podes caminhar a pé para o hotel, se não quiseres pegar um moto-taxista cuja cintura rígida poderás abarcar, fingindo medo e insegurança.

Deixei de fora o final da odisséia, por não saber de tuas intenções; se queres conhecer melhor a cidade ou se é melhor voltar a Natal. No meu caso, fiquei ainda mais um dia na cidade. “Até mesmo porque” só há um voo diário Natal/Paulo Afonso, de segunda a sexta-feira. Fim de semana, nem pensar em aeronaves. Amargam-se cerca de 500km entre as duas metrópoles em ônibus de carreira(de Recife dista mais de 200). No dia que me restou (um domingo), expus minha beleza e juventude em dois lugares: a prainha, onde pude me banhar num braço do Velho Chico, ao mesmo tempo em que degustei fartos e deliciosos acepipes servidos por viçosos jovens que ali posam de garçons. O outro lugar é o Parque Aquático, de que não gostei. Muitas crianças nadam em algazarra nas piscinas, observados pelos pais. Só.

Em resumo: vivi três dias agradáveis, da sexta à segunda-feira. A chegada a Paulo Afonso, após voo dos mais turbulentos, se dá às 11:30 da manhã e a volta é às 12:30, devendo chegar à tardinha a “Nothingland”.