A alma de uma cidade está nas feiras livres

Somos daquele tipo de turista que adora feira. Sempre que o calendário permite, nas nossas viagem vamos à feira. Para mim a feira representa a população real, a gente comum daquela cidade, mas também gosto de conhecer as verduras, as comidas, as coisas que o povo come. Algumas vezes me deparo com coisas que não conheço ou que nem imaginava que existisse, como o ovo envolto em cinzas que vimos no sudeste asiático.

Pois calhou de estarmos aqui em um dia de feira. E logo a feira maior e mais famosa de Montevideu: a feira de Tristán Narvajo. Todos nos diziam que ela era enorme e que tinha de tudo. E era verdade. A calle Dr. Tristán Narvajo começa na Av. 18 de julho, diante da Universidade da República. A feira segue por toda a rua, mas se espalha pelas ruas transversais, a perder de vista. E tem mesmo de tudo. Tem parafuso e tomadas, tem CDS e programas de computador pirata, tem ervas e roupas de trabalhador, tem roupa de brechó, tem livro usado, tem eletrodomésticos antigos, tem toneladas de coisas que parecem terem sido catadas dos lixos das casas, tem panelas e materiais de limpeza, tem coisas para cachorros, tem algumas coisas antigas que aparecem mesmo ter algum valor (um cara tava vendendo por 400 pesos um apito usados pelos guardas uruguaios nos anos 50). Tem artigos de couro e marroquinaria, tem artesanato de lã e tear, tem disco bolachão, tem brinquedos para crianças.


Ah, e tem comida! Sobretudo frutas e verduras. Diferente das nossas apenas em alguns nomes (abacate, por exemplo, é palta). Em uma barraca vimos umas coisas parecidas com limão siciliano, agruparas em pilhas, com uma placa “montón”. Comentamos, nossa, limão siciliano aqui chama-se montón. Aí, na barraca ao lado tinha pimentões vermelhos em pilhas e com a placa “montón”. Ok, burras, montón é montão! Saímos morrendo de rir.

Claro que na feira encontramos turistas, mas são turistas como nós, que preferem bater perna em feira do que em shopping, que come uns pastelões imensos fritados na hora, que comparam tangerina e saem comendo, que folheam livros velhos e compram poesias de Benedetti.

Enfim, feira é ótimo! E se você tiver em Montevideu em um domingo, vá até a Tristán Narvajo. E de quebra você ainda pode ver o estádio do Peñarol, que é ali em uma das transversais. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s