Chegando a Transilvânia: Brasov

E rumamos para a Transilvânia. Eu, cheia de fantasias de que era um lugar sombrio e cinzento. A Transilvânia é uma das quatro grandes regiões da Romênia  e tem esse nome porque “silva” significa selva, floresta; a região atravessa selvas. Além dessa região, a Romênia tem a Moldávia, Valáquia e Dobruja

É assim chegamos a Brasov, a principal cidade da Transilvânia. Brasov se escreve com cedilha no “s” e por isso se pronuncia “Brachov”. É uma cidade grande, com cerca de 200 mil habitantes, com um centro histórico lindo, animado, luminoso. Uma rua de pedestres cheia de gente, bares de calçada, becos lindos com restaurantes descolados (jantamos em um que nada tinha a dever dos do Brooklin) e com boa comida. Ou seja, nada de uma Transilvânia sombria, ao contrário, na praça havia um show de rock romeno pesado e uma feira de artesãos locais muito legal.

img_4118
Mas a fama turística mesmo de Brasov é que lá está o castelo de Drácula. Não, não de Drácula, claro, que é um personagem de ficção, mas do conde Vlad, conhecido como “o empalador”. E não, não é um castelo, mas uma fortaleza. Esse conde ficou conhecido por sua extrema violência, um cara malucamente sanguinário, que, certa vez, porque um indivíduo não o saudou tirando o chapéu, ele mandou fixar com pregos o chapéu na cabeça do cara. Outra lenda conta que ele achou que a roupa de um dos seus súditos estava suja e mandou cortar as mãos de sua mulher, por não limpar bem a roupa do marido. Enfim, foi esse tipo de cara que inspirou Bram Stoker a escrever o Drácula.


Fomos ver o bendito castelo, ou melhor fortaleza. Uma multidão de gente!!! Uma multidão de lojinhas de “bugenir” (bugingangas de suvenir)!!! Pra entrar, fila. Depois uma ladeira enorme até o castelo, mais fila porque a entrada é bastante estreita e só permite a entrada de uma em uma pessoa. Desistimos. Depois do túnel apertado no Vietnã, apertos não me atraem. Ficamos olhando as bugingangas e, confesso envergonhada que até compramos algumas. Claro que a maioria das coisas se relacionavam com Drácula ou com Vlad, mas tinha umas coisinhas bonitinhas. Depois, tomamos um café, arranjamos um banco e ficamos vendo as “modas”.

Brasov, como Hollywood, tem seu nome colocado em um dos montes que rodeiam a cidade, de modo que se pode ver de todo canto. Essa instalação é motivo de orgulho para uns é de vergonha para outros. Eu, particularmente achei bonito. Pois há um bondinho que nos leva até lá. É muito legal ver a cidade lá de cima e ter a compreensão da parte antiga e murada da cidade, de como a organização arquitetônica é diferente, com as casas juntas e as ruas mais irregulares.


Passamos dois dias em Brasov e foi a cidade mais legal até agora. Sigamos.