Obrigada, Taninha!!!

Estamos voltando, a viagem foi linda, tudo funcionou às maravilhas. E sabem porque? Porque tinhamos a proteção de nossa amiga Tania, da Corais Turismo. Eita mulher competente!!

Por isso, nosso último post desta viagem é para dizermos todas juntas: OBRIGAAAAADA, TANINHAAAAAA….!!!!!!

Mordo a língua

Me equivoquei. Aqui tambem tem a praga da Universal do Reino de Deus. E funcionando em um antigo cinema da Calle Lavalle, quase 9 de Julio.

Que lástima …

Fechando com chave de ouro

Hoje, nosso último dia em Baires, fomos almoçar com nossos amigos Ismael, Fatima e Julian. Foi muito legal encontra-los e conhecer Julian já com quase 4 anos. Eu tinha visto ainda bebê. Uma gracinha, o garoto. Ficou logo meu amigo e eu dei a ele um “alienígena” verde. Comemos em um restaurante em frente ao Parque Lezama, a meu pedido, porque era ali que a gente comia na última vez que aqui estive.

Olha nós ai, lindos e felizes

Nós e os De Castro

Herdeiros da ditadura – por Fatima Lima

Um dos momentos mais comoventes da viagem (choramos discretamente, o que em se tratando de Fatima Lima não é lá tão “raro”) foi a conversa com Jorge Eduardo Olmos. Taxista,  de 57 anos, adora a Argentina, mas como nao le gustan los argentinos! Porque “são deseducados, não cumprem as leis, querem levar vantagem em tudo (lembram algum povo?) , não estão ai para seu país”. Quanta amargura e santa revolta!!

Também lhe amargura a vida além da herança peronista, a crueldade da ditadura militar. Fala de nossa sorte em termos Lula, que os brasileiros apesar de tudo são nacionalistas (?!) e tivemos e temos a grande figura (ai não economizou adjetivos) de D. Helder Camara que ele, Jorge Eduardo, catolico e socialista, teve o prazer e orgulho de conhecer e  abraçar.

Falou-nos de seu pai, Alejandro Olmos, jornalista,militante eterno da causa argentina , que denunciou a ilegitimidade da dividaa argentina (bom, seu pai é uma grande ocorrencia no Google). O Sr Olmos morreu dias antes de ter ganho de causa no processo esse da divida. Seu filho nos conta esta historia com a paixão e contudencia que marcam o falar dos argentinos principalmente quando estão emocionados.

Jorge Eduardo deve ser assim sempre: emocionado, indignado, irado e contundente. Imaginamos que deve ter curso superior, é melhor informado que a média argentina que é muito bem informada e sabe Deus como foi parar na direção daquele taxi.

Um tour por Baires

E fomos, como boas turistas, fazer um tour por Buenos Aires. Claro que a maioria dos lugares nós já conheciamos, mas foi interessante ouvir e saber das histórias deles.

No “recorrido” fui recolhendo coisas que a mim me pareceram interessantes:

1. Uma cidade que transforma teatro em livraria só pode gerar cidadãos, no sentido exato do termo. Isso esta presente em todo lugar. Preciso contar em outro post sobre o motorista de um taxi que tomamos. Mas no tour nos deparamos com uma manifestação, inicio de passeata ou coisa assim, a qual saudamos com nossos punhos fechados

e com essa pixação em plena calçada da Plaza de Mayo

2. Adoro graffiti, os que me conhecem sabem. Olhem que coisa linda encontramos em La Boca

3. Um predio em Puerto Madero me chamou atenção pelo belo efeito de refletir o céu

e mais de perto, um efeito pixelado muito interessante

3. Gardel e Evita, as obsessões argentinas, estão em todas. Há cartazes de um tal Movimento Evita por todo lado. Ainda vou saber de que se trata. Mas esse mural com um Gardel meio Avatar está realmente muito bonito

4. Só para mostrar como vive bem o nosso embaixador. Em plena Alvear, na Recoleta, lugar dos chiques e famosos.

Assado com chá de verbena

E fomos comer uma carne, claro! Escolhemos ir a Puerto Madero porque não conheciamos. Fomos no Cabaña Las Lilas, por indicação de Tania. Afora uns brasileiros idiotas que falavam gritando, o restaurante é muito bom e a carne, nem precisa dizer, é fantástica. Comemos os bifes e assados de tiras que desejavamos, eu pedi um tiramissu de “postre”, mas o mais fantástico mesmo foi a “infusion” que Fá pediu: infusion calm, descrito assim: “Hojas de verbena del sur de Francia, manzanilla egipcia y manzana. Digestivo y relajante“.

Alguem ai já tomou chá de folhas de verbena do sul da França?? Duvi-de-o-dó!

O preço da comilança toda foi até barato, se convertemos para o real (nossa moeda forte… hehehe). Pagamos, cada uma, algo como 60 reais. Sem bebidas, porque tomamos 2 Quilmes, e isso não é exatamente uma bebida.

Eu quero morar em uma livraria

Faz tempo que me juntei a uma comunidade do Orkut com esse nome do título do post. Achei muito legal, mas não sou de frequentar muito esse “site de relacionamento”, como a midia o chama. Aqui em Buenos Aires encontrei exatamente a livraria onde queria morar: a El Atheneo, da Santa Fé. Que coisa deslumbrante!

El Atheneo

Um antigo teatro transformado em uma imensa livraria! Livros no que era a plateia, as frisas e os camarotes transformados em grandes espaços para livros p0r especialidades, o palco transformado em um simpático café

Acho que a nossa eterna pinimba com os argentinos é pura inveja. No Brasil transformamos antigos cinemas em igrejas universais…